CLUBE DE ULTRALEVES

Diante da necessidade de absorver uma grande parcela de Cadetes "laranjeiras" (que, nos fins-de-semana, encontravam-se na Academia), houve um incentivo, por parte do Estado-Maior da Aeronáutica, no sentido de se criar para os Cadetes o Clube de Ultraleves (CUC).

Com a finalidade básica de propiciar o lazer num vôo descontraído, tem o CUC, paralelamente, a tarefa de profissionalizar o Cadete na atividade-fim da Força: o vôo.

Atualmente, o Clube é operado e dirigido única e exclusivamente por Cadetes, que orientam e coordenam todas as suas atividades de jazer. Mas, além disso, proporciona excelentes experiências aviatórias e algumas emoções diferentes daquelas a que estamos acostumados - um pouco do romantismo do vento no rosto e do sentimento de liberdade, que só os que voam por amor à profissão de voar podem sentir.





CLUBE DE VÔO A VELA

Há quem diga "se Deus quisesse que o homem voasse, nasceria com asas". Mas Ele fez uma concessão para nós e nos deu asas bem longas, de alumínio, madeira ou fibra de vidro, E foi com elas que aprendemos a voar. Voar, unicamente pelo prazer de voar. Foi com esse espírito que nasceu, nesta Academia, o Clube de Vôo a Vela em 1976. A partir daí, vem sendo aprimorado e ainda cresce em ritmo acelerado. A rotina é puxada para finais-de-semana a que muitos se dedicam durante 4 anos, desde "bichos" até quartanistas.

Hoje, o Clube opera inteiramente dirigido pelos próprios cadetes. Todos participam: desde a Diretoria até o PX (cadete principiante) mais moderno do 1º Ano. O próprio reboque, que até o início deste ano era feito unicamente por oficiais, é agora realizado por nós mesmos. O avião utilizado é dos mais simples (o nosso "zarapa") e cumpre plenamente a sua função. E, claro, somos ainda orientados e dirigidos por oficiais, que nos dão os diretrizes de trabalho para a continuidade do Clube - o maior Clube de Vôo a Vela das Américas, comprovado estatisticamente.

Estamos indo embora, mas foi nesse "clube" que iniciamos nossa atividade aérea, que começamos a moldar o nosso espírito de aviador Por isso o temos não como um clube, mas como um esquadrão da maior importância onde nos reunimos com os amigos, para falar sobre as térmicas, "zerinho", "mais batente" para falar sobre a delícia de um vôo planado, sem motor, e onde podemos "curtir" a vida tranqüilamente, lá de cima.

Para os que ficam, deixamos a mensagem a ser aprendida e que retrata o espírito do CVV:

"Voar pelo prazer de voar"


|

Turma Águia | Esquadrilha | Senta a Pua | www.davi.ws | ITA 96
Última atualização: novembro de 2008

Atenção: este site não guarda vínculo oficial com a FAB
Para informações, visite www.fab.mil.br